mudem isto: votem em mim
appa writes on 10.Aug.05 at 19h29
voting in the USSR

Publicidade para mim próprio. Avesso que sou a publicidade e à exposição. Não mais que o necessário, q.b. É só isso. Hesitei antes de afixar isto, mas sempre que se hesita morre-se um pouco, e dos fracos não reza a história. Donde temerariamente me lanço em tal empresa.

Sucede que quando lançei este site, escrevi e disponibilizei um PDF — em inglês e português — acerca da educação do gosto para apreciar a Música Antiga. Não é uma tentativa do agora tão banal proselitismo que toma o pomposo nome de captação de novos públicos. Este tipo de coisa parte de um grande equívoco que é achar que se pode interessar as pessoas numa coisa tornando-a vulgar, aparvalhando-a, transformando-a numa papa pré-digerida de rápida assimilação e que aligeira o metabolismo. Ora por definição tudo aquilo que é facilmente digerido é pouco nutritivo. Donde ao tornar a coisa "atractiva" transformando-a num produto light, este tipo de nova evangelização acaba por impedir toda e qualquer recepção significativa do que é apresentado pelo público alvo. Tal como os alimentos light, cujo sabor está alterado beyond recognition, a música light é uma paródia do que de facto está lá dentro. Nem mesmo o facto de ser gritado a plenos pulmões que sim, que a cultura é gira e fácil, ajuda a tornar tal experiência de degustação light nutritiva. Sabe-se que ao sair daquele "restaurante" os comensais voltarão aos seus velhos hábitos de junk food e coisas cheias de aditivos e conservantes que a canalha gananciosa dos grandes conglomerados do multim*rdia empurra pelas goelas abaixo como coisa boa para a saúde.

Acho que as pessoas devem-se expor às coisas. Não se pode gostar do que não se conhece. Mas também não há coups de foudre, ou melhar há mas são a excepção que confirma a regra. As coisas verdadeiramente válidas, estáveis, e com futuro demoram tempo a construir. As cadelas apressadas parem os cachorros cegos. O que quer que seja tem que se aprender a amar. Primeiro há uma certa estranheza, depois vai-se entranhando pouco a pouco, até que a partir de certa altura se torna insubstituível. Estranhamos a sua ausência. Aquilo que antes não existia passa a ser uma parte substantiva do que somos. Assim, só se pode aprender a amar a Música Antiga se houver vontade em nós para tal. O nosso organismo é que dita se existe em nós algo que nos atire na boa direcção. Pode ser que não exista. E depois? Bem pelo menos teremos tido uma nova experiência. E só assim se pode crescer. Sair da zona de conforto. Também aquilo que agora está nessa zona foi outrora distante.

Ao experimentar esta coisa nova enriquecemos a vida. E só se está cá em baixo uma vez, donde é melhor aproveitá-la.

Está nos meus planos lançar os PDFs que aqui tenho num novo formato de duas colunas. Mas para já resolvi propor um manifesto ao Changethis.com. Este manifesto será uma versão editada do que tenho aqui. O meu objectivo é chegar ao maior número de pessoas possível. A proposta que submeti foi aceite para votação. Agora dependendo da votação ser-me-á dada ou não oportunidade de o escrever.

Acho uma óptima oportunidade para divulgar a Música Antiga, não no espírito do proselitismo da captação de novos públicos sobredito, mas na perspectiva de expor o maior número possível de pessoas a esta música. Quem sabe quantos poderão ter uma das suas visões na estrada para Damasco. E também haverá uns quantos que em nada lhes mexerá. Mas pelo menos terão tido uma experiência clarificadora.

Por isso, apelo ao vosso contributo para esta empresa. Votem em mim. Isto é, votem na minha proposta de manifesto aqui.

Grato pela vossa atenção.