fm 2006: muita xaúdinha, boa xorte e obrigadinho por me auchiliar
appa writes on 01.May.06 at 00h17
beggar playing violin in fair

Intersecção de uma chamada efectuada entre um músico português, cuja identidade ficará por razões óbvias ocultada, e que esteve presente como intérprete na Festa da Música, e um número não identificado do CCB. Cortesia da NSA e do seu magnífico echelon.




pois pá, foi bonita a festa. Mas, pá, da próxima vez tens que deixar de ser tão mão de vaca e pagares como deve ser. E a larica que passei? Uuiii...Pá, queres que eu toque, não queres pá? Se queres tens que me dar de comida pá. Percebes? Essas tretas do artista romântico tísico só enche os ouvidos a velhas solteironas. Ainda por cima pá, isto até era uma festa do Barroco pá? Isso foi antes de ter sido inventado o artista moderno. Mas tu devias saber isso pá. Afinal não és tu que organiza a pândega pá?

Nem umas minis com tremoços pá? Nem uma latinha de conservas de atum ou sardinhas pá? Pode ser em óleo vegetal pá? Sei que a vida está pela hora da morte pá? Por isso pá podes ir com a carripana a um desses supermercados espanhóis que pululam por aí. E trazes também uns amendoíns e umas línguas de gato, ou daqueles chocolates que é só cacau feito à pressão pá. Um chocolatinho tinha caído bem pá. Se tinha pá.

Pá o francíu deve achar que somos todos otários pá. O gajo que vá lá para a terra dele pagar 150 EUR de cachet aos tocadores e cantadores a ver se pega. Levava logo com a tranca pá. Mas aqui a malta amocha e não faz ondas pá. Isto é uma festa pá. Estamos todos alegres pá? Eh, eh, eh, e de certeza que não é com as imperiais que não nos pagastes pá.

Pá, até ouvi dizer que houve uns gajos tugas que mandaram o francíu à m*rda. Disseram ao gajo que fosse pagar 150 EUR lá para a terra dele. Pois foi pá. Mas esses gajos não tocaram pá. E a gente pá, a gente pá, quer é tocar pá. A gente quer ter público pá. Epá, é tão giro ter a sala cheia pá?

Pois pá, tens razão pá. Sei que há gajos e gajas que aceitam fazer tudo por uns tostões pá. Coitados pá, não tocam nada pá . É que assim pá nós até nos estamos a lixar pá. Pois não dá para perceber quem toca bem e quem toca mal pá. Pois é pá. Olha, que se lixe. Tocámos pá. Foi lindo pá, foi lindo pá.

O quê pá? Não tens pilim, a ministra não quer saber disto para nada pá? Até nomeou uma administradora que diz que quer passar isto a bienal. Pá até gosto de te dar uma mãozinha pá. Mas assim o cacau saí do nosso bolso de duas maneiras: pagamos os impostos e depois ofereces-nos estas esmolas com uma caraça de cachet pá. Pá tem dó. A vida custa a todos pá? Pá quando vou à mercearia pá, o gajo diz logo: fiado não há. Paga! Ele não quer saber dos teus e meus problemas pá. O contado tem que bater certinho ali na registadora e fazer trling pá.

Pá os estranjas não iam nessas tangas pá. Os estranjas, quais estranjas? Pá os gajos da selecção de bola pá. Os gajos fazem greves pá, jogam mal, e dizem que querem ter bons prémios pá. E todos se mexem para pagar à rapaziada dos pontapés na bola pá. Mas cá no burgo pá isto de ser músico é como ser pilha-galinhas pá. Os manda-chuvas pá, querem lá saber do pessoal. Isto não dá votos. A bola dá. Ó pá, já conheço essa malta de ginjeira. Olha pá vou desligar pá, já vai uma batelada em telélé pá. Pagaste-me 150 EUR de cachet, não me deste senha de refeição e ainda por cima estou a arrotar $$$ em telélé. Gaita pá! Isto é pior que manter um burro a pão de ló. Brzztt, plling..., zzzz, chchch


Aqui surgiram problemas na intercepção. Foi isto o captado. Sei que é pouco ético citar escutas incompletas, mas foi o que se arranjou. E o contexto? Bah, para bom entendedor...
comment viewing options
Select your preferred way to display the comments and click 'Save settings' to activate your changes.
> 150€ para os tugas...
> by Dr Sonot One on 04.May.06 at 14h41
...porque para os artistas estrangeiros o cachet foi sensivelmente o dobro, ordens expressas do Dr. Martin, que é consultor do CCB com direito a salário mensal, mesmo que o único serviço que presta à casa seja organizar a festa, coisa que ele já fazia antes de ser consultor e pela qual, certamente, se continua a fazer pagar.
Enfim: em terra de surdos...