matteo da perugia ou mattheus de perusio
appa writes on 05.Jul.04 at 13h25
Compositor italiano do início do século XV, falecido nos primeiros dias de Janeiro de 1418. Pouco se sabe sobre a sua vida.

Seguramente um nativo de Perugia, parece ter feito a maior parte da sua carreira ao serviço de Pietro Filargos Candia (1340-1410), arcebispo de Milão desde 1402 e promovido a cardeal em 1405. Pietro tinha estudado em Paris, antes de ensinar teologia na Sorbonne; era um entusiástico francófilo, algo que em parte explica a predominância do estilo francês na música de Matteo.

Em 1406, Matteo acompanha Pietro a Pistoia e Bolonha, para ser eleito anti-papa: Alexandre V. Permanece em Milão ao serviço do sucessor de Pietro, João XXIII, regressando a esta cidade após a deposição deste último em 1414. Matteo torna-se no primeiro magister capellæ — mestre de capela — da Catedral de Milão, na altura ainda em construção.

Matteo legou-nos um significativo número de obras, todas contidas no manuscrito de Modena, o qual presumivelmente foi escrito sob a sua orientação. Compôs obras religiosas e profanas. É um compositor a meio caminho entre a tradição italiana e francesa, empregando técnicas de ambas. A sua música atravessa não só fronteiras geográficas mas também temporais: algumas obras estão escritas num estilo reminiscente do século XIV; outras incorporam inovações estilísticas tais como a maior atenção dada à inteligibilidade do texto a ser cantado, e uma concepção mais harmónica da textura polifónica.

Um notável exemplo da arte de Matteo é o Gloria En Attendant. Baseado numa balada de Filippo da Caserta: En Attendant, dedicada a Bernabò Visconti, tio de Gian Galeazzo Visconti, que foi preso e envenenado por sua ordem. O lema de Bernabò era Souffrir m'estuet — Sofrer, eu tenho. É uma afirmação de força, e uma exaltação da vida. Se aqui estamos, temos que sofrer, e isso significa estar vivo, de outra forma estamos mortos.

A balada tem um verso En attendant souffrit m'estuet grief payne — Enquanto espero devo sofrer grave mágoa — que celebra a nobreza de Bernabò. Sendo ao mesmo tempo um lamento e uma afirmação da sua dignidade: como ele estoicamente suportou o seu cativeiro enquanto aguardava a visita da morte. Embora o tom do Gloria seja essencialmente queixoso, termina com um Amen afirmativo, em que o coro sublinha o tom esperançoso. Este era também o tempo em que o grande cisma do Ocidente — a coexistência de dois papas, um em Roma e outro em Avignon — dividia a Cristandade. O tom plangente é também um pedido para que o cisma termine. A interpretação de Jill Feldman é perfeita, todas as nuances emocionais por detrás de cada nota são rendidas com mestria. Ouça esta obra-prima:

Saiba mais sobre a arte de Matteo e o contexto em que surge a sua obra lendo o documento PDF: Aprender a Amar a Música Antiga.