flores de música no ccb: et mvsica motus
appa writes on 01.Nov.05 at 20h28
wave breaking on shore

Assisti ontem a um mau concerto pela ocasião da inauguração do novo espaço da patriarcal no CCB. Apresentaram-se os agrupamentos Flores de Música e Capela Joanina sob a direcção de João Paulo Janeiro. A obra interpretada foi os Matuttini de'Morti do compositor David Perez (1711-1778) mestre de capela do Rei D. José I.

Mau porque não percebi a concepção que o maestro tem da obra. Será uma obra sacra? Será uma cantata profana para abrilhantar serões burgueses ou aristocráticos? Será uma ópera em versão de concerto? Não sei. Não percebi o que é. Foi exibida uma despudorada inconsistência estilística.
novo espaço da patriarcal no ccb
appa writes on 30.Oct.05 at 23h29
Lisboa terramoto de 1755

O CCB inaugura amanhã um novo espaço de música: designado o Espaço da Patriarcal em memória da Igreja da Patriarcal que o terramoto de 1755 consumiu.

O concerto inaugural é precisamente com a peça que se crê ter começado na Patriarcal de Lisboa as cerimónias do dia de Todos os Santos do ano da Graça de 1755.

Esta iniciativa é um rebento da mente de João Ludovice consultor para a área da Música do Centro de Espectáculos do CCB. Re-criar os espaços do CCB e ser imaginativo nessa recriação é a ideia. Se um ofício dos mortos ficaria menos bem no grande, ou mesmo no pequeno auditório, poderá ficar muito bem aqui. Testes realizados previamente assim o confirmam. E mesmo que as coisas não corram pelo melhor artisticamente, possibilidade que existe sempre, o dar à luz deste espaço é ocasião bastante para ser elogiada e estimulada. Num pardacento panorama de concertos, arriscar como se faz aqui é de louvar. Por outro lado é também a única hipótese de triunfar. De deixar para trás as geriátricas plateias desembrulhadoras de rebuçados, fauna e parasitas afins.
divino sospiro em mafra: elementary, dear watson
appa writes on 20.Oct.05 at 23h14
Sherlock Holmes

Assisti a um bom concerto pela orquestra Barroca Divino Sospiro sob a direcção de Enrico Onofri. A abrilhantar a ocasião estiveram as sopranos Joana Seara e Orlanda Isidro, bem como o cravista Fernando Miguel Jalôto que foi solista no concerto para cravo constante do alinhamento.

Por falar em alinhamento, desalinhamento total seria o termo mais correcto. Pois que este meritório projecto luso de orquestra Barroca parece falhar em aspectos que não sendo de carácter musical são, pode-se dizer, para-musicais. Já assisti a muitos concertos, mas nunca, nunca, nunca, nunca assisti a um concerto em que havendo uma alteração de monta no alinhamento do programa, os músicos em geral, ou alguém na vez deles, não tivessem a elementar cortesia de o indicar ao público. Se no caso de músicos forasteiros, havendo uma barreira linguística, estes não hesitam em informar o público das alterações, no caso de músicos portugueses a coisa devia ser mais que elementar. Mas como se comprovou em Mafra o passado Domingo, nem sempre o que é elementar, trivial mesmo, garante o fluir das coisas.
onofri, köll & jalôto em mafra: la voce del violino
appa writes on 20.Oct.05 at 21h11
Everett Collier Vanitas

Assisti a um muito bom concerto no passado Sábado em Mafra. O concerto integra-se no IX Festival Internacional de Música de Mafra.

O violinista Enrico Onofri, a harpista Margret Köll e o cravista Fernando Miguel Jalôto apresentaram um programa de Música Italiana dos sécs. XVI e XVII.
festival de mafra: alguns comentários tardios, é certo, mas mesmo assim próprios
appa writes on 18.Oct.05 at 05h32
Zimborio de Mafra

Está já disponível online a programação do IX Festival Internacional de Música de Mafra. Eis aqui num PDF.

O site completo é este. Lá encontra os detalhes da programação de cada fim de semana.

O Festival tem uma programação variada que apela a uma multitude de sensibilidades melómanas. Vale a pena para quem está em Lisboa ir pela A8 rumo a Mafra para assistir a excelentes concertos. Destaquo os concertos do fim-de-semana de 22-23 de Outubro. Igualmente apelativo é a fim-de-semana seguinte com a boa fortuna de ouvir dois fortepianos que viajam de República Checa — construidos por Paul McNulty para Mafra e serão entregues às capazes mãos de Andreas Staier, que no dia 28 toca as derradeiras sonatas de Schubert, e no dia 30 oferece um recital Mozartiano, antecipando a efeméride dos 250 anos do seu nascimento que se celebra em 2006.
mudem isto: votem em mim
appa writes on 10.Aug.05 at 19h29
voting in the USSR

Publicidade para mim próprio. Avesso que sou a publicidade e à exposição. Não mais que o necessário, q.b. É só isso. Hesitei antes de afixar isto, mas sempre que se hesita morre-se um pouco, e dos fracos não reza a história. Donde temerariamente me lanço em tal empresa.

Sucede que quando lançei este site, escrevi e disponibilizei um PDF — em inglês e português — acerca da educação do gosto para apreciar a Música Antiga. Não é uma tentativa do agora tão banal proselitismo que toma o pomposo nome de captação de novos públicos. Este tipo de coisa parte de um grande equívoco que é achar que se pode interessar as pessoas numa coisa tornando-a vulgar, aparvalhando-a, transformando-a numa papa pré-digerida de rápida assimilação e que aligeira o metabolismo. Ora por definição tudo aquilo que é facilmente digerido é pouco nutritivo. Donde ao tornar a coisa "atractiva" transformando-a num produto light, este tipo de nova evangelização acaba por impedir toda e qualquer recepção significativa do que é apresentado pelo público alvo. Tal como os alimentos light, cujo sabor está alterado beyond recognition, a música light é uma paródia do que de facto está lá dentro. Nem mesmo o facto de ser gritado a plenos pulmões que sim, que a cultura é gira e fácil, ajuda a tornar tal experiência de degustação light nutritiva. Sabe-se que ao sair daquele "restaurante" os comensais voltarão aos seus velhos hábitos de junk food e coisas cheias de aditivos e conservantes que a canalha gananciosa dos grandes conglomerados do multim*rdia empurra pelas goelas abaixo como coisa boa para a saúde.
think tiny: bom, bonito, balato
appa writes on 09.Aug.05 at 20h20
Mr. Burns

Há já algum tempo que ando com vontade de escrebunchar sobre os grandes líderes empresariais lusos e do seu completo desinteresse pelas coisas da Cultura em geral, e da música em particular.

Questão: o que aconteceria se de hoje para amanhã os (des)mandantes resolvessem por decreto emanado das mais altas instâncias da república acabar com a música dita clássica? Podem sempre invocar o estafado e sobre-abusado argumento da contenção do défice. Sim, sei que tal como eu alguns de entre vós têm outras ideias acerca de medidas para contenção do défice. Mas têm um pequeno óbice: não dão votos. Donde não permite aos corsários e bucaneiros manter a sua galé a flutuar, com a qual realizam inúmeras lucrativas abordagens no turbulento oceano da coisa pública.
a ouvir: suivez le thème
appa writes on 08.Aug.05 at 22h31
iluminure with knight

Se na lusa pátria a canícula rima com tédio e falta de imaginação, paragens há onde tal rima com diferente.

O France Musiques tem estado a apresentar desde há um mês uma série de programas intituladas Suivez le Thème. Nessas emissões diárias são propostas coisas que não cabem no normal ritmo semanal de um programa de rádio. Assim no início foi a história do dito movimento da Música Antiga. Coisas boas, desde uma aluna de Clara Schumann a tocar um Scarlatti em piano digno de fazer corar uns quantos pianistas "modernos" que tocam o Domenico como uma xaropada romântica, até a uma gravação fabulosa de Aline Zylberajch numa cópia dos pianofortes Cristofori que existem no El Escorial, e os quais estariam na mente de Domenico quando seguiu Maria Bárbara de Lisboa para Madrid e copiosamente sonatas escreveu.
vii encontros de música antiga de loulé: ao sul
appa writes on 05.Aug.05 at 22h08
cidade de Loule

A edição VII dos Encontros de Música Antiga de Loulé decorre entre os dias 15 de Setembro e 22 de Outubro. Os concertos, todos com início às 21h30 decorrem em vários locais do concelho de Loulé.

Os encontros tem o incansável Francisco Rosado como o seu mentor. Director do Ensemble de Flautas de Loulé.

Para além da componente concertística, os Encontros têm também uma componente pedagógica com masterclasses. Mas para já os concertos.

A programação compreende concertos que vão desde o Trecento vespertino de um Matteo da Perugia a um matutino Romantismo de um Gluck. Passando pela Renascença e Barroco.
jardim das delícias nos capuchos: che cosa é la sensualità?
appa writes on 10.Jul.05 at 15h20
Hieronymus Bosch garden of delights

Assisti ontem a uma excelente conferência proferida pelo musicólogo, gambista e violoncelista Roberto Gini.

O tema era a sensualidade na poesia e como é percebida por vários compositores ao longo da história. O eixo em torno do qual toda a conferência revolveu foi a tutelar figura de Claudio Monteverdi (1567-1643).

O poema escolhido foi o Cântico dos Cânticos que está incluído na Bíblia. O poema descreve o amor entre um homem e uma mulher, no contexto religioso este amor foi interpretado como o amor a Deus, e na vertente do culto Mariano.
first page
previous page
1 2 3 4 5 6 7 8 9 ...
next page
last page