o ouvido de maxwell: pare, escute, sinta
appa writes on 04.Jan.06 at 00h37
James Clerk Maxwell

Actualização: site do programa.

Tenho votado este site a um "desprezo" forçado. Tenho muitos outros interesses. E tempus fugit. Tenho andado envolvido com um meu pet project: um programa de rádio.

Não espanto ninguém que leia os meus escritos que sou crítico da rádio portuguesa em geral e da clássica, Antena 2 em particular. A Clássica FM é um robot, nem se quer lhe posso chamar uma rádio. Adiante.

Critico, mas gosto sempre de tentar dar o meu modesto contributo para melhorar, ou pelo menos para tentar melhorar.
Depois de dois anos a bater com o nariz na porta, e quando estava já desenganado, ssscreechhh, a porta sonoramente rangendo abriu-se-me. Moral: a persistência compensa.

Vou ter um programa. Cuja primeira emissão é na próxima quinta-feira, dia 5, às 10h00. O nome do programa é O Ouvido de Maxwell. Para quem não tem uma formação científica este apelido escocês nada diz. Mas foi o matemático que descobriu as equações que regem o comportamento do comportamento do campo electromagnético na sua vertente ondulatória. Em suma sem estas equações conceber circuitos de rádio, por exemplo, seria difícil, para não dizer impossível, estar-se-ia à mercê dos Edisons de ocasião.
Toda a teoria de Antenas tem por base estas equações. Procuro assim muito humildemente dar a conhecer o nome do dito senhor, que merece a meu ver ser mais (re)conhecido pelo público em geral.

Este programa terá uma componente Internet indissociável. Há o broadcast FM e há a Internet. Aí procuro chegar mais longe.
Globalização instantânea, alguém disse. No site vai ter fotos, o programa em streaming (MP3 e Ogg) e um podcast. Low-fi, so sorry. Mas a bandwith é muito cara. O podcast em Ogg tem melhor qualidade e é mais levezinho nos bytes.

O site surgirá só no dia do programa e a actualização será simultânea com o rádio. Isto é, as fotos e texto surgirão à medida que forem sendo propagadas no ar por via da rádio.

O primeiro programa intitula-se: Os ouvidos não têm pálpebras e é uma variante minha da frase de Pascal Quignard as orelhas não têm pálpebras.


Todo o som é o invisível sob a forma do perfurador de
envelopes. Quer se trate de corpos, quartos, apartamentos,
castelos. Imaterial, ele ultrapassa todas as barreiras. O som ignora a pele, não sabe o que é um limite: ele não é nem interno, nem externo. Ilimitável, ele é ilocalizável. Não pode ser tocado: ele é incapturável. A audição não é como a visão. Aquilo que é visto pode ser parado pela parede ou pela cortina, pode ser tornado inacessível pela muralha. O que é ouvido não conhece nem pálpebras, nem paredes, nem cortinas, nem muralhas. Indelimitável, ninguém se pode proteger dele: os ouvidos não têm pálpebras.


Eis um spot de promoção do programa.
comment viewing options
Select your preferred way to display the comments and click 'Save settings' to activate your changes.
> parabéns!
> by jmnk on 04.Jan.06 at 01h43
vai ter aqui um ouvinte sem pálpebras e atento

descrita
 
> mas?
> by Luciano on 14.Feb.06 at 11h28
Mas qual, de facto, é a rádio em que este programa é transmitido?
 
> eis a rádio
> by appa on 15.Feb.06 at 19h29
Caro Luciano,

É transmitido na Antena 2 da RDP.

Quinzenalmente. Primeiras emissões às 10h00, repetições na semana seguinte à meia-noite. Amanhã, dia 16 há um novo.

Grato pela atenção,
António